sexta-feira, 28 de maio de 2010

Orgulho ( Pólo de Moda) Sul Fluminense de ser


Grifes do Sul do Rio lançam coleções no Rio-à-Porter

Nesta semana, o Polo de moda Sul Fluminense esta expondo, com sete grifes da a região do Sul do Rio, na 2ª edição no Rio-à-Porter. De acordo com Wagner Mehl, presidente do Sindvestsul (Sindicato das Indústrias do Vestuário do Sul do Estado do RJ), "as criações vão apresentar as características do interior e tradição do trabalho manual. Esse será um grande diferencial".



Acredito...mas sei bem que, ainda bem, há muito mais que "trabalho manual" naquele Polo, que acompanhei, como assessora de imprensa, por quatro edições do Fashion Business - quando eu ainda era uma estagiária de jornalismo (por meio da Firjan) deslumbrada com o mundinho fashion - foi meu primeiro contato com a moda, a criação...Na época, pude presenciar o grupo com 10, quase 15 empresas. Depois voltei como repórter, visitante...viciei.

Este ano, por mudança de Estado, não estive no evento. Contudo, mais do que muitos jornalistas daquela região que vão ao evento à convite da Firjan pelo 'oba-oba', sei que tem muita gente por lá que produz mais que artezanato, costuras...mas moda de qualidade, em produção e criação.

Algumas marcas desta atual formação do polo tive o prazer de conhecer bem, inclusive a evolução em qualidade, como a romântica Amparo Brasil, de Barra Mansa e a urbana Dona Chica, da vizinha Volta Redonda. Já a Maria-Fia, de Barra do Piraí, e a Penduricalho, de Valença, conheci com menos intimidadae, apenas como repórter que cobria o evento. Nesta edição, participam ainda a Francamente, de Vassouras, e Lugar de Arte, de Valença.

Senti falta de - pra mim - ícones da produção de lá: Bolsas e Tramas, de Pinheiral, com as bolsas em fibra de bananeira; os chapeus da Cristina Gurgel,  de Visconde de Mauá; as sandálias masculinas MacRod; as carteiras chics - estilo  it girl - da linda e talentosa Naline Leal, lá de BM. Sucesso entre as mirins globais, Gisele Mehl, de quem sou fã,  não expõe mais, mas sempre dá o ar da graça por lá.


Foto: Estande do Polo, em 2009, no Fashion Business


Flores Tropicais

 Nesta temporada as coleções, desenvolvidas com o acompanhamento do Senai Moda, levam o nome de "Flores Tropicais" e apresentam a flora brasileira nas roupas e acessórios.

 As peças trazem as tendências , valorizando o simples, a memória, a cultura, as experiências e as emoções. Os modelos abusam dos bordados, babados, fuxicos, laços, flores e diversos tipos de tecidos. Com influencias artesanais, cores e texturas traduzem a riqueza de detalhes das flores.
(Em breve, posto detlahes de cada coleção) 
Pena que tanto talento seja mais valorizado fora. Um exemplo? A Amparo Brasil, sucesso no Prêt-à-porter, em Paris, mas que nem existe para muitos conterrâneos. Outras marcas também já causaram burburinho , ao firmarem parcerias e desfilarem com grifes conhecidas -Walter Rodrigues e Redley- nas passarelas do Fashion Rio.

[ Em tempo: saudades do Fashion Rio. Este ano o trabalho vai ser todo no SPFW - que bom!]

Um comentário:

Honestino Afonso Xavier disse...

A Samambaia e o Bambu

Certo dia decidi dar-me por vencido.
Renunciei ao meu trabalho, às minhas relações, e à minha fé.
Resolvi desistir até da minha vida.
Dirigi-me ao bosque para ter uma última conversa com Deus.
“Deus, eu disse:
Poderias dar-me uma boa razão para eu não entregar os pontos?”
Sua resposta me surpreendeu:
“Olha em redor Estás vendo a samambaia e o bambu?”
“Sim, estou vendo”, respondi.
Pois bem. Quando eu semeei as samambaias e o bambu, cuidei deles muito bem.
Não lhes deixei faltar luz e água.
A samambaia cresceu rapidamente.
Seu verde brilhante cobria o solo.
Porém, da semente do bambu nada saía.
Apesar disso, eu não desisti do bambu.
No segundo ano, a samambaia cresceu ainda mais brilhante e viçosa.
E, novamente, da semente do bambu, nada apareceu.
Mas, eu não desisti do bambu.
No terceiro ano, no quarto, a mesma coisa…
Mas, eu não desisti.
Mas… no quinto ano, un pequeno broto saiu da terra.
Aparentemente, em comparação com a samambaia, era muito pequeno , até insignificante.
Seis meses depois, o bambu cresceu mais de 50 metros de altura.
Ele ficara cinco anos afundando raízes.
Aquelas raízes o tornaram forte e lhe deram o necessário para sobreviver.
“A nenhuma de minhas criaturas eu faria um desafio que elas não pudessem superar”
E olhando bem no meu íntimo, disse:
Sabes que durante todo esse tempo em que vens lutando, na verdade estavas criando raízes?
Eu jamais desistiria do bambu.
Nunca desistiria de ti.
Não te compares com outros”.
“O bambu foi criado com uma finalidade diferente da samambaia, mas ambos eram necessários para fazer
do bosque um lugar bonito”.
“Teu tempo vai chegar” disse-me Deus.
“Crescerás muito!”
Quanto tenho de crescer? perguntei.
“Tão alto como o bambu?” foi a resposta.
E eu deduzi: Tão alto quanto puder!
Espero que estas palavras possam ajudar-te a entender que Deus nunca desistirá de ti.
Nunca te arrependas de um dia de tua vida.
Os bons dias te dão felicidade.
Os maus te dão experiência.
Ambos são essenciais para a vida.
A felicidade te faz doce.
Os problemas te mantêm forte.
As penas te mantêm humano.
As quedas te mantêm humilde.
O bom êxito te mantém brilhante.
Mas, só Deus te mantém caminhando...

ficou legal seu blogger.
quando der visite o meu
deixe recados..
abraços

Related Posts with Thumbnails